O Estágio de Jessyca – aluna deficiente visual da Licenciatura em Matemática da UFG - reflexões sobre os desafios e dilemas de uma formação à três

  • Maria Bethânia Sardeiro dos Santos Instituto de Matemática e Estatística Universidade Federal de Goiás
  • Maria Euripedes de Souza Dias CEBRAV
  • Jessyca Rodrigues de Castro
Palavras-chave: Inclusão, Socialização, Formação de professores de matemática.

Resumo

Esse artigo tem o objetivo de divulgar os bastidores do estágio que aconteceu em 2016, no CEBRAV- Goiânia trazendo reflexões relacionadas à formação do professor de matemática para alunos cegos. Pretende sensibilizar os profissionais do Ensino Superior para a inclusão. Optamos por elaborar relatos que se aproximam, metodologicamente, de histórias de vida porque é vida que construímos – dentro e fora da academia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Bethânia Sardeiro dos Santos, Instituto de Matemática e Estatística Universidade Federal de Goiás

Licenciada em Matemática pelo Instituto de Matemática e Estatística – IME/UFG (2017).

Maria Euripedes de Souza Dias, CEBRAV

Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal de Goiás (1987) e Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Delta (2013). É professora do Centro Brasileiro de Reabilitação e Apoio ao Deficiente Visual - CAP/ CEBRAV e do Centro Universitário Anhanguera.

Jessyca Rodrigues de Castro

Licenciada em Matemática pelo Instituto de Matemática e Estatística – IME/UFG (1994), Mestre em Educação pela Universidade Federal de Goiás - UFG (2000) e Doutora pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUCSP (2013). É professora e pesquisadora do IME/UFG desde 1994.

Referências

BRASIL. Declaração Mundial sobre educação para todos e plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Brasília:UNICEF, 1990b. Disponível em:

http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 20 dez. 2016

BRASIL. Politica Nacional de educacao especial na perspectiva da educacao inclusiva. Brasilia: MEC/SEESP, 2008. Disponivel em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf>. Acesso em: 18 dez. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Portaria n. 1.010, de 11 de maio de 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/txt/direitoaeducacao.txt

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Portaria n. 1.010, de 11 de maio de 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/txt/direitoaeducacao.txt

CASTRO, Jessyca R de – O ensino de frações para pessoas com deficiência visual inspirado no desenho universal – Relatório Investigativo – Trabalho de Conclusão de Curso – Matemática, IME – UFG – Goiânia, 2017.

CORREIA, S.; CORREIA, P. Acessibilidade e desenho universal. In: CORREIA, S.; CORREIA, P. Educacao Especial - Diferenciacao do Conceito a Pratica. Porto: Gailivro, 2005. (Encontro Internacional). p. 29–50

FREITAS, Soraia Napoleão: A formação de professores na educação inclusiva In: RODRIGUES, Davida (org) – Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva, Summus editorial, São Paulo, 2006.

FIORENTINI, Dario – Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? (Cap2) In: BORBA, Marcelo C; ARAÚJO, Jussara L (orgs) – Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática, Coleção Tendências em Educação Matemática, Autêntica, Belo Horizonte, 2006.

FREIRE, Paulo – Pedagogia da Autonomia, Paz e Terra, São Paulo, 1996.

GARNICA, Antonio V M – Historia Oral e Educação Matemática – (Cap 3) In: BORBA, Marcelo C; ARAÚJO, Jussara L (orgs) – Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática, Coleção Tendências em Educação Matemática, Autêntica, Belo Horizonte, 2006.

GÜNTHER,Hartmut – Como elaborar um questionário - Laboratório de Psicologia Ambiental Universidade de Brasília Série : Planejamento de Pesquisa nas Ciências Sociais, 2003, Nº 01 Instituto de Psicologia

MAZATO, Antonio J; SANTOS, Adriana B - A ELABORAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS NA PESQUISA QUANTITATIVA - Departamento de Ciência de Computação e Estatística – IBILCE – UNESP – disponível em - http://guiadotcc.com.br/assets/uploads/arquivos/elaboracao_questionarios_pesquisa_quantitativa.pdf

REILY, L. Escola Inclusiva: Linguagem e mediação. Campinas: Papirus, 2004. (Série Educação Especial).

SILVA, Tiago Stefanelo; LAZZARIN, João Roberto - Ciência e Natura, Santa Maria v.39 n.1, 2017, Jan - abr, p. 118 – 126 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas – UFSM, disponível em: https://periodicos.ufsm.br/cienciaenatura/article/viewFile/23408/pdf Acesso em 27 dez 2017.

SKLIAR, Carlos – A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. In: RODRIGUES, Davida (org) – Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva, Summus editorial, São Paulo, 2006.

TARDIF, Maurice – Saberes docentes e Formação Profissional – 11ª edição, Editora Vozes, Petrópolis, Rio de janeiro, 2010.

Publicado
2018-09-01
Como Citar
dos Santos, M. B. S., Dias, M. E. de S., & Castro, J. R. de. (2018). O Estágio de Jessyca – aluna deficiente visual da Licenciatura em Matemática da UFG - reflexões sobre os desafios e dilemas de uma formação à três. Revista De Educação Matemática, 15(20), 565 - 579. https://doi.org/10.25090/remat25269062v15n202018p565a579
Seção
Educação Matemática, Inclusão e Direitos Humanos