Tecnologia Assistiva e Educação Matemática: experiências de inclusão no ensino e aprendizagem da Matemática nas deficiências visual, intelectual e auditiva

  • Joeanne Neves Fraz Universidade de Brasília - UnB
Palavras-chave: Tecnologia Assistiva, Educação Matemática, Inclusão/Acessibilidade

Resumo

Este artigo tem como objetivo conhecer experiências de inclusão com a utilização da Tecnologia Assistiva na Matemática, oferecendo a área possibilidades de inclusão, promoção e inovação de seu ensino e aprendizagem com deficientes visuais, intelectuais e auditivos, refletindo ao longo do estudo sobre as contribuições possíveis da TA na Educação Matemática. Estudo de abordagem qualitativa, enfoque exploratório e base bibliográfica, cujo levantamento compreendeu o Google Acadêmico e o banco de dados da CAPES, estudos de 2012 a 2017 e a seleção das pesquisas para a apresentação das experiências de inclusão no ensino e aprendizagem da Matemática que utilizaram os recursos e serviços da TA incidiram sobre o uso da Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC)/tecnologias digitais. O estudo possibilitou verificar que tanto desenvolver quanto utilizar os recursos e serviços da TA significa dar condições efetivas de interação e aprendizado, inserção social e acesso ao conhecimento matemático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joeanne Neves Fraz, Universidade de Brasília - UnB
Mestre em Educação pela Universidade de Brasília (Faculdade de Educação, UnB, 2004), Especialista em Educação a Distância (UNOPAR, 2016), Licenciada e Bacharel em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Franca, SP (UNESP, 1996). Formação complementar: Didática da Matemática (2018), Políticas Educacionais e Formação de Professores (2017), Didática e Designer Instrucional (2017), Inteligências Múltiplas na Educação a Distância (2015), Carga Horária em Educação a Distância (2015), Gestão em Educação a Distância (2015), Moodle (2014/2015), Tutores em EaD na Plataforma Moodle (2014), Docência EaD (FGV Online, 2012).

Referências

ADA - Americans with Disabilities Act. 1994. Disponível em: https://www.eeoc.gov/laws/statutes/ada.cfm. Acesso em: 13 jan. 2018.

ALVES, Denise de Oliveira. Inclusão de pessoas com deficiência na educação superior: representações sociais que produzem sentidos e (re)desenham cenários. 2015. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de Brasília-UnB, 2015.

ANTUNES, C. Depoimento de Celso Antunes em relação ao multiplano. 2000. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=WAINZpUQOaU. Acesso em: 12 jan. 2018.

ARENDT, H. A condição humana. 11. ed. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2010.

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. Assistiva – Tecnologia e Educação, Porto Algre (RS), 2017. Disponível em: http://www.haasfretes.com.br/arquivos/introducao-tecnologia-assistiva.pdf. Acesso em: 13 jan. 2016.

BERSCH, R.; TONOLLI, J. C. Introdução ao conceito de Tecnologia Assistiva e modelos de abordagem da deficiência. Bengala Legal, 2006. Disponível em: http://www.bengalalegal.com/tecnologia-assistiva. Acesso em: 13 jan. 2018.

BIAGGI, G. V. Uma nova forma de ensinar matemática para futuros administradores: uma experiência que vem dando certo. Revista de Ciências da Educação. XXXX, v. 20, p. 103-113. 2000.

BICUDO, M. A. V.. Pesquisa em Educação Matemática. Pro-posições, vol. 4, n. 1, p. 18-23. São Paulo, 1993.

BRASIL. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO, 1990.

______. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília, DF: UNESCO, 1994.

BRASIL. Decreto Nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Disponível em: http://www.camara.gov.br/sileg/integras/344503.pdf. Acesso em: Acesso em: 13 jan. 2018.

BRASIL, Presidência da República (Casa Civil). Decreto Nº 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm. Acesso em: 13 jan. 2018.

_______. Lei Nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10098.htm. Acesso em: 13 jan. 2018.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL, Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - CORDE - Comitê de Ajudas Técnicas (CAT), 2007. Disponível em: http://www.infoesp.net/CAT_Reuniao_VII.pdf. Acesso em: 13 jan. 2018.

BRASIL, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência – SNPD. Tecnologia Assistiva. 2008. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/publicacoes/tecnologia-assistiva. Acesso em: 06 fev. 2018.

BRASIL, Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Tecnologia Assistiva. 2008. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/publicacoes/tecnologia-assistiva. Acesso em: 16 jan. 2017.

BRASÍLIA, Secretaria da Educação Especial. Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. 1. ed. Brasília, DF: MEC, SEESP, 2005.

CARVALHO J. B. P. de. O que é Educação Matemática? Temas e Debates, n. 3, p. 17-26, São Paulo, 1991.

CEOLIN, T.; MACHADO, A. R.; NEHRING, C. A. O ensino de Matemática e a Educação Inclusiva: uma possibilidade de trabalho com alunos deficientes visuais. X Encontro Gaúcho de Educação Matemática – Comunicação Científica, 02 a 05 de junho de 2009, Ijuí/RS. Disponível em: http://www.projetos.unijui.edu.br/matematica/cd_egem/fscommand/CC/CC_48.pdf. Acesso em: 01 fev. 2018.

COELHO, C. M.; RAPOSO, P. N.; SILVA, E.; ALMEIDA, A. C. F. Acessibilidade para pessoas com deficiência visual no Moodle. Linhas Críticas, Brasília, v. 17, n. 33, p. 327-348, maio/ago. 2011.

CONTE, E.; OURIQUE, M. L. H.; BASEGIO, A. C.. Tecnologia Assistiva, Direitos Humanos e Educação Inclusiva: uma nova sensibilidade. EDUR - Educação em Revista, Belo Horizonte (MG), v. 33, e163600, 2017. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/edur/v33/1982-6621-edur-33-e163600.pdf. Acesso em: 13 jan. 2018.

CORREIA, L. M. Inclusão e necessidades educativas especiais. Um guia para educadores e professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 2008.

D’AMBROSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, 31(1), p. 99-120, 2005.

____________. A educação matemática como disciplina. In: MIGUEL, A.; GARNICA, A. V. M.; IGLIORI, S. B. C.; D’AMBRÓSIO, U. A Educação Matemática: breve histórico, ações implementadas e questões sobre sua disciplinarização. Revista Brasileira de Educação, n. 27, p. 70-93, 2004.

DAMASCENO, L. L.; GALVÃO FILHO, T. A. G.. As novas tecnologias como Tecnologia Assistiva: usando os recursos de acessibilidade na Educação Especial. Brasília, DF: MEC/PROINFO, 2000.

DANTAS, A. L. P.; PINTO, G. R. P.R.; SENA, C. P. P. Apresentando o BEM: um objeto de aprendizagem para o processo educacional de crianças com deficiência visual e videntes nas operações básicas de Matemática. II Congresso Brasileiro de Informática na Educação - CBIE 2013 - XXIV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação – SBIE, 2013. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/2522/2180. Acesso em: 14 fev. 2018.

DUARTE, E. M.; CALEJON, L. M. C. Objetos de Aprendizagem: uma análise da aprendizagem matemática e suas concepções tecnológicas. Anais do Encontro de Produção Discente PUCSP/Cruzeiro do Sul. São Paulo, p. 1-12, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/935-3498-1-PB.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

ESQUINCALHA, A. Exemplos de recursos tecnológicos para o ensino de matemática a alunos com necessidades educacionais espaciais. Revista Educação Pública, Fundação CECIERJ – Fundação Centro de Ciências e educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: http://educacaopublica.cederj.edu.br/revista/artigos/exemplos-de-recursos-tecnologicos-para-o-ensino-de-matematica-a-alunos-com-necessidades-educacionais-especiais. Acesso em: 14 fev. 2018.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FOGLI, B. F. C. S.antos et al. Inclusão na educação: uma reflexão crítica da prática. In: SANTOS, M. P. (Org). Inclusão em educação: culturas, políticas e práticas. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008, p.107-121.

GALVÃO FILHO, T. A. Tecnologia Assistiva para uma Escola Inclusiva: apropriação, demandas e perspectivas. 346f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

_______________. Tecnologia Assistiva: favorecendo o desenvolvimento e a aprendizagem em contextos educacionais inclusivos. In. GIROTO, C. R. M.; POKER, R. B.; OMOTE, S. (org.). As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 65-92.

GALVÃO FILHO, T. A.; DAMASCENO, L. L. Programa InfoEsp: Premio Reina Sofia 2007 de Rehabilitación y de Integración. Tecnologia Assistiva em Ambiente Computacional: recursos para a autonomia e inclusão sócio-digital da pessoa com deficiência. In: Boletín del Real Patronato Sobre Discapacidad, Ministerio de Educación, Política Social y Deporte, Madri, Espanha. n. 63, p. 14-23, abril/2008. Disponível em: http://www.galvaofilho.net/Programa_InfoEsp_2009.pdf. Acesso em: 29 jan. 2018.

GELLER, M.; SGANZERLA, M. A. R. Reflexões de professores sobre tecnologias assistivas e o processo de ensino e aprendizagem de Matemática. Acta Scientiae (ULBRA), v. 16, nº 4, p. 116-137, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/1275-3607-1-PB.pdf. Acesso em: 14 fev. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOFFREDO, V. L. F. S. A escola como espaço inclusivo. In: BRASIL. Ministério da Educação – MEC. Secretaria de Educação a Distância – SEED. Salto para o futuro: Educação Especial: tendências atuais. Brasília: Ministério da Educação, SEED, 1999. p. 67-72 (Série de Estudos. Educação a Distância, v. 9). Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002692.pdf. Acesso em: 13 jan. 2018.

MALAQUIAS, F. F. O. Realidade virtual como Tecnologia Assistiva para alunos com deficiência intelectual. Tese (Doutorado em Engenharia Elétrica). 2012. 112p. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia (MG), 2012.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. In: Fala Mestre! Meire Cavalcante. Edição, 182, Mai/2005. Disponível em: http://www.adiron.com.br/arquivos/privilegio.pdf. Acesso em: 31 jan. 2018.

_________. Igualdade e diferenças na escola como andar no fio da navalha. Educação. Porto Alegre – RS, v. 32, n. 2, p. 319-326, 2007. Disponível em: file:///C:/Users/User/Downloads/675-2407-1-PB.pdf. Acesso em: 23 fev. 2018.

MANZINI, E. J. Tecnologia Assistiva para educação: recursos pedagógicos adaptados. In: BRASÍLIA, SEE. Ensaios Pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, p. 82-86, 2005.

_______. Formação do professor para o uso de Tecnologia Assistiva. Cadernos de Pesquisa em Educação - PPGE/UFES. Vitória, ES. a. 9, v. 18, n. 36, p. 11-32, jul./dez. 2012.

MARCELLY, L.. As histórias em quadrinhos adaptadas como recurso para ensinar Matemática para alunos cegos e videntes. 2010. 179f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho. Rio Claro (SP), 2010.

MOREIRA, G. E. Representações sociais de professoras e professores que ensinam Matemática sobre o fenômeno da deficiência. Tese (Doutorado em Educação Matemática). São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, 2012.

________. Resolvendo problemas com alunos com Transtornos Globais do Desenvolvimento: desafios e conquistas. Educação Matemática em Revista-RS, v. 01, p. 38-48, 2014.

________. A Educação Matemática Inclusiva no contexto da Pátria Educadora e do Novo Plano Nacional de Educação: reflexões e provocações. III Fórum de Discussão: “Parâmetros Balizadores da Pesquisa em Educação Matemática no Brasil” - SBEM e GT 19 da ANPED. São Paulo: PUC/SP, 2015a.

________. O ensino de Matemática para alunos surdos: dentro e fora do texto em contexto. Seminário do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), jun./2015b.

MOREIRA, G. E.; MANRIQUE, A. L.. Ensino de Matemática e Inclusão: Concepções de professores da educação básica de escolas públicas da Região do Minho, Portugal. 12º Colóquio Internacional de Psicologia e Educação: Educação, Aprendizagem e Desenvolvimento: Olhares Contemporâneos através da Investigação e da Prática. 21 a 23 de junho. Portugal, Lisboa: ISPA—Instituto Universitário, 2012.

_________. Educação Inclusiva: Representações Sociais de professores que ensinam Matemática. Poíesis Pedagógica, Catalão-GO, v.12, n.1, p. 127-149, jan/jun. 2014a.

_________. Percepções de professores acerca da inclusão de alunos com NEE em aulas de Matemática em Braga (Portugal) e no Distrito Federal (Brasil). Perspectiva da Educação Matemática. Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Vol. 7, Nº 14, 2014b.

PAIS, L. C. Ensinar e Aprender Matemática. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2006.

PASSOS, A. M.; PASSOS, M. M.; ARRUDA, S. M. A Educação Matemática Inclusiva no Brasil: uma análise baseada em artigos publicados em revistas de Educação Matemática. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 6, n. 2, p. 1-22, 2013.

RODRIGUES, L. B. O uso da calculadora como recurso de Tecnologia Assistiva no ensino de aritmética para os alunos com deficiência intelectual inseridos na Educação de Jovens e Adultos (EJA). 2015. 237f. Dissertação (Mestrado - Programa de Pós-Graduação em Ensino na Educação Básica do Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação da Universidade Federal de Goiás). Goiânia (GO), Universidade Federal de Goiás, 2015.

SANTOS, F. L.; CORDEIRO, J. P.; GONÇALVES, N. T. L. P.; THIENGO, E. R.. Contribuições da tecnologia na construção de uma educação inclusiva: o trabalho com um aluno deficiente visual nas aulas de Matemática. Educação Matemática Debate, Montes Claros, v. 1, n. 2, maio/ago. 2017. Disponível em: http://www.periodicos.unimontes.br/emd/article/view/405/316. Acesso em: 13 jan. 2018.

SARTORETTO, M. L.; BERSCH, R. O que é Tecnologia Assistiva? Assistiva: Tecnologia e Educação, 2017. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/tassistiva.html#porque. Acesso em: 13 jan. 2018.

SASSAKI, R. K. Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, L. F.; BORGES, J. A.; LIMA, C.; SOARES, A. B. Ensinando Geometria a Deficientes Visuais: o ambiente dinâmico Geometrix. Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 21, Número 2, 2013.

SILVA, P. M.; SANTOS, R. C.; BRITO, L. L. O uso de aplicativos para surdos: alternativa mediada pela tecnologia. II CINTEDI – II Congresso Internacional de Educação Inclusiva – II Jornada Chilena Brasileira de Educação Inclusiva, 16 a 18 nov. 2016. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/cintedi/trabalhos/TRABALHO_EV060_MD1_SA7_ID3883_23102016233351.pdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão. Um guia para educadores. Trad. Magda França Lopes. Porto Alegre, RS: ARTMED,1999.

STOBÄUS, C. D.; MOSQUEIRA, J. J. M. Educação Especial: em direção à Educação Inclusiva. 2. ed. Porto Alegre, RS: EDIPUCRS, 2004.

TEZANI, T. C. R. (2004). Os caminhos para a construção da escola inclusiva: a relação entre a gestão escolar e o processo de inclusão. 2004. Dissertação (Mestrado) Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos. http://www.bdtd.ufscar.br. Acesso em: 14 jan. 2018.

TONET, L. H. Avaliação comparativa de usabilidade das ferramentas de acessibilidade web para deficientes visuais e aplicação das recomendações do W3C no site da ULBRA Guaíba. 2006. 128f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Sistemas de Informação). Universidade Luterana do Brasil. Guaíba, RS.

ZORZAN, A. S. L. Ensino-Aprendizagem: algumas tendências na Educação. Matemática. Revista Ciências Humanas – Frederico Westphalem, v.2, n. 10, p. 77-93, jun/2007.

Publicado
2018-09-01
Como Citar
Fraz, J. N. (2018). Tecnologia Assistiva e Educação Matemática: experiências de inclusão no ensino e aprendizagem da Matemática nas deficiências visual, intelectual e auditiva. Revista De Educação Matemática, 15(20), 523 - 547. https://doi.org/10.25090/remat25269062v15n202018p523a547
Seção
Educação Matemática, Inclusão e Direitos Humanos