Resolução, Exploração e Proposição de Problemas nos anos iniciais do ensino fundamental: contribuições para o ensino e aprendizagem da combinatória

Palavras-chave: Exploração de Problemas, Análise Combinatória, Ensino Fundamental.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo investigar as contribuições da Resolução, Exploração e Proposição de Problemas ao processo de ensino e aprendizagem da Combinatória nos anos iniciais do Ensino Fundamental, tomando como base estudos relacionados à metodologia da Resolução, Exploração e Proposição de Problemas e à Educação Combinatória. O estudo da pesquisa de campo possui cunho qualitativo, em razão de que se empenhou em descrever e analisar detalhadamente os dados coletados por meio de observações, notas de campo, registros escritos feitos pelos alunos e gravações de áudio. Como sujeitos da pesquisa, adotaram-se 16 alunos de uma turma de 5º ano do Ensino Fundamental de uma escola da rede pública municipal do Estado da Paraíba. As ações pedagógicas realizadas em contexto de sala de aula apoiaram-se na perspectiva metodológica da Resolução, Exploração e Proposição de Problemas defendida por Andrade (1998; 2017), bem como em estudos que discutem o processo de ensino e aprendizagem da Combinatória. Na oportunidade, trabalharam-se os quatro tipos de problemas combinatórios (combinação, arranjo, permutação e produto cartesiano) que precisam ser abordados nos anos iniciais do Ensino Fundamental, a partir de problemas combinatórios retirados da pesquisa de Pessoa (2009) e propostos pelos alunos. Conclui-se que a proposta metodológica da Resolução, Exploração e Proposição de Problemas contribui para a promoção da aprendizagem combinatória dos alunos, possibilitando o desenvolvimento de um processo educativo reflexivo. Constatou-se que as problematizações provocadas durante o processo de Resolução, Exploração e Proposição de Problemas potencializaram o trabalho de reflexão sobre os invariantes dos problemas combinatórios, o que favoreceu o desenvolvimento do raciocínio combinatório, generalizante e lógico dos alunos, além de também ter possibilitado a exploração de diferentes dimensões dos problemas propostos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emily Vasconcelos Santos, Universidade Estadual da Paraíba

Universidade Estadual da Paraíba; 

Educação Matemática.

Silvanio Andrade, Universidade Estadual da Paraíba

Universidade Estadual da Paraíba; 

Educação Matemática.

Referências

ANDRADE, S. Ensino-aprendizagem de matemática via resolução, exploração, codificação e descodificação de problemas e a multicontextualidade da sala de aula. 1998. 325f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 1998.

ANDRADE, S. Um caminhar crítico reflexivo sobre resolução, exploração e proposição de problemas matemáticos no cotidiano da sala de aula. In: ONUCHIC, L. R; LEAL JUNIOR, L. C.; PIRONEL, M. (Orgs.). Perspectivas para resolução de problemas. São Paulo: Livraria da Física, 2017, p. 355-395.

BORBA, R. Antes cedo do que tarde: o aprendizado da combinatória no início da escolarização. Encontro de Combinatória, Estatística e Probabilidade dos Anos Iniciais. Recife – PE, 2016.

BOGDAM, R; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. Porto, Portugal: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais. Matemática: ensino de primeira à quarta série. Secretaria de Educação Fundamental, Brasília, 1997.

BRASIL. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: educação estatística. Secretaria de Educação Básica, Caderno 07, Brasília, 2014.

ENGLISH, L.; SRIRAMAN, B. Problem solving for the 21st century. In: SRIRAMAN, B.; ENGLISH, L. (Ed.). Theories of mathematics education: seeking new frontiers. Heidelberg, Dordrecht, London, New York: Springer, 2010. p. 263-290.

KILPATRICK, J. Reformulando: abordando a resolução de problemas matemáticos como investigação. In: ONUCHIC, L. R.; LEAL JUNIOR, L. C.; PIRONEL, M. (Org.). Perspectivas para resolução de problemas. São Paulo: Livraria da Física, 2017, p.163-187.

LAKATOS, I. A lógica do descobrimento matemático: provas e refutações. Tradução Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C.(Orgs.). Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, 2004, p.213-231.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Pesquisa em resolução de problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema – Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, SP, v. 25, n. 41, p. 73-98, 2011.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Proporcionalidade através da resolução de problemas no curso superior de licenciatura em matemática. Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática, 6., 2015, Pirenópolis. Anais [...]. Pirenópolis, GO, 2015.

PARAÍBA. Referenciais curriculares do ensino fundamental do Estado da Paraíba. Matemática. Ciências da Natureza. Diversidade Sociocultural. Secretaria do Estado da Educação e Cultura, João Pessoa, PB, 2010.

PESSOA, C. Quem dança com quem: o desenvolvimento do Raciocínio Combinatório do 2º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. 267f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, 2009.

PESSOA, C; BORBA, R. Quem dança com quem: o desenvolvimento do raciocínio combinatório de crianças de 1ª a 4ª série. ZETETIKÉ – Cempem – FE – Unicamp, v. 17, jan./jun., 2009.

SANTOS, E. V. Contribuições da resolução, exploração e proposição de problemas ao processo de ensino e aprendizagem da combinatória nos anos iniciais do ensino fundamental. 2019. 228. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática - PPGECEM) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2019.

SANTOS, E. Contribuições teóricas e didáticas para o ensino e aprendizagem da combinatória nos anos iniciais do ensino fundamental. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Matemática) – Universidade Federal de Campina Grande, Cuité, PB, 2016.

SERRAZINA, L. Resolução de problemas e formação de professores: um olhar sobre a situação de Portugal. In: ONUCHIC, L. R.; LEAL JUNIOR, L. C.; PIRONEL, M. (Orgs.). Perspectivas para resolução de problemas. Livraria da Física: 2017, p.55-83.

SHROEDER, T. L.; LESTER JR., F. K. Developing understanding in mathematics via problem solving. In: TRAFTON, P. R.; SHULTE, A. P. (Ed.). New directions for elementar school mathematics. Reston: NCTM, 1989, p. 31-32.

VAN DE WALLE, J.A. Matemática no ensino fundamental: formação de professores e aplicação na sala de aula. Tradução de Paulo H. Colenese. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

VERGNAUD, G. Cognitive and developmental psychology and research in mathematics education: some theoretical and methodological issues. For the Learning of Mathematics 3, p. 31-41, Canadá, 1982.

VERGNAUD, G. Conceptual fields, problem solving and intelligent computer tools. In: De Corte, E.; Linn, M.; Mandl, H.; Verschaffel, L. Computer-based learning environments and problem solving, 1992, p. 287-308.

VERGNAUD, G. El niño, las matemáticas y la realidad: Problemas de la enseñanza de las Matemáticas en la escuela primaria. Mexico: Trillas, 1991.

VERGNAUD, G. La théorie des champs conceptuels. Recherche en Didactique des Mathématiques. v.10, n.2, 3, p.133-170, 1990.

VERGNAUD, G. Todos perdem quando não usamos a pesquisa na prática. Nova Escola, ed.215, set., 2008. Disponível em: http://revistaescola.abril.com.br/matematica/fundamentos/todos-perdem-quando-nao-usamos-pesquisa-pratica-427238.shtml. Acesso em: 14 fev. 2018.

Publicado
2020-05-01
Como Citar
Santos, E. V., & Andrade, S. (2020). Resolução, Exploração e Proposição de Problemas nos anos iniciais do ensino fundamental: contribuições para o ensino e aprendizagem da combinatória. Revista De Educação Matemática, 17, e020030. https://doi.org/10.37001/remat25269062v17id293
Seção
Seção Temática: Resolução de Problemas na Educação Matemática