Materiais manipuláveis e conceitos geométricos: uma sequência de ensino desenvolvida na Educação de Jovens e Adultos

Palavras-chave: Conceitos Geométricos, Materiais Manipuláveis, Sequência de Ensino

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as contribuições que uma sequência de ensino, elaborada com situações que usam materiais manipuláveis, pode trazer para a aprendizagem de conceitos de cubo e de quadrado na Educação de Jovens e Adultos (EJA). O aporte teórico utilizado é a Teoria dos Campos Conceituais. Foi aplicada uma sequência de ensino, em uma turma de 25 alunos do terceiro tempo formativo, Eixo VII da EJA em uma Escola Pública de nível médio no Brasil. Foram identificadas contribuições para a aprendizagem dos envolvidos, tais como: possibilidades de mudança de posição do aluno enquanto aprendiz; aumento da motivação do aluno para participar das aulas; facilidade da identificação de dificuldades dos alunos; possibilidade de maior compreensão dos conceitos por parte dos alunos; e, favorecimento da percepção de diferenças e similaridades entre e nas formas geométricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eurivalda Ribeiro dos Santos Santana, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC

Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Pós doutora em Didática da Matemática pela Universidade de Lisboa. Professora titular da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Docente do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática (PPGEM/UESC).

Nerivaldo Honorato da Cruz Santos, Instituto Federal da Bahia-Brasil
Licenciado em Matemática (UESC), Bacharel em Ciências Econômicas e Especialização em Economia de Empresas pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Atualmente, é funcionário efetivo da Prefeitura Municipal de Aurelino Leal-BA e membro do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática, Estatística e em Ciências (GPEMEC - UESC).
Maria Elizabete Souza Couto, Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC
Doutora em Educação. Professora Titular do Departamento de Educação. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática (PPGEM-UESC)
Zulma Elizabete de Freitas Madruga, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - UFRB
Doutora em Educação em Ciências e Matemática pela Pontif[icia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Professora Adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Docente do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual de Santa Cruz (PPGEM-UESC).

Referências

BAHIA. Secretaria Estadual de educação. Política de EJA da Rede Estadual, 2009. Disponível em <http://www.sec.ba.gov.br/jp2011/documentos/Proposta_da_EJA.pdf>. Acesso em 04 abr. 2013.

BRASIL, Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em 10 set. 2019.

BRASIL, Ministério da Educação (MEC), Secretaria de Educação Média e Tecnológica (Semtec). PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, Brasília: MEC/Semtec, 2002. p. 55-57.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa em educação matemática. Proposições, Campinas, v. 4, n. 10, 2006. p. 18-23.

CROWLEY, M. L. O modelo Van Hiele de desenvolvimento do pensamento geométrico. In: LINDQUIST, Mary Montgomery; SHULTE, Albert P. (Org.). Aprendendo e ensinando Geometria. São Paulo: Atual, 1994. p. 1-19.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos metodológicos. Campinas-SP: Autores Associados, 2006.

FIORENTINI, D.; MIORIM, M. A. Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no ensino da matemática. Boletim da SBEM-SP, São Paulo, SBEM/SP, ano 4, n. 7, 1990.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

JESUS, G. B. Os Materiais Manipuláveis no Processo de Ensino e Aprendizagem de Matemática: algumas implicações no trabalho do professor. In: XV Encontro Baiano de Educação Matemática Educação Matemática na Formação de Professores: um novo olhar UNEB CAMPUS X – Teixeira de Freitas – BA 3 a 5 de julho de 2013.

LEIVAS, J. C. P. Geometria Euclidiana e do Táxi: um problema concreto e os Registros de Representações Semióticas. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 16, n. 22, p. 252-269, maio/ago. 2019.

LORENZATO, S. Por que não ensinar geometria? In: Educação Matemática

em Revista – SBEM 4, 1995, p. 3-13.

MACEDO, E. L. de. Proporcionalidade à luz da Teoria dos Campos Conceituais: uma sequência de ensino diferenciada para estudantes da EJA. 168f. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2012.

MAGINA, S. A Teoria dos Campos Conceituais: contribuições da Psicologia para a prática docente. 2005. Disponível em: < http://www.ime.unicamp.br/erpm2005/anais/conf/conf_01.pdf>.

MATOS, J. M.; SERRAZINA, M. de L. Didáctica da Matemática. Lisboa: Universidade Aberta, 1996.

MOREIRA, M. A. A TCC de Vergnaud, o Ensino de Ciências e a Pesquisa nesta Área. In: Investigações em Ensino de Ciências – V7(1), pp. 7-29, 2002.

NACARATO, A. M.; PASSOS, C. L. B. A Geometria nas séries iniciais: análise sob a perspectiva da prática pedagógica e da formação de professores. São Carlos: EdUFSCar, 2003.

NASSER, L.; VIEIRA, E. R. Formação de Professores em Geometria: uma experiência no ciclo de alfabetização. Vidya, v. 35, n. 2, p. 19-36, jul./dez., 2015 - Santa Maria, 2015.

PAVANELLO, R. M. “O abandono do Ensino da Geometria no Brasil: Causas e Conseqüências.” In: Zetetiké, n.1, p. 07-17, Unicamp, mar. 1993.

PINHO, J. L. R.; NERI, E. B.; CARVALHO, T. B. Geometria I – 2. ed. – Florianópolis: EAD/UFSC/CED/CFM,2010. Disponível em < http://mtm.ufsc.br/~ebatista/Eliezer_Batista_arquivos/MTM_Geometria_I_WEB.pdf>

REYS, R. E. Considerations for teaching using manipulative materials. Arithmetic Teacher, 1971.

SABESP – Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo. Uso Racional de Água. Disponível em <http://www.sabesp.com.br/sabesp/filesmng.nsf/DACB88862E8D4E48832576D900682E31/$File/folder_usoracional.pdf>Acesso: 14 maio 2013

SANTANA, E. R. dos S. Estruturas Aditivas: O suporte didático influencia a aprendizagem do estudante? 344f. Tese (Doutorado) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, Brasil, 2010.

SANTOS, A. C.; PEROVANO, A. P. Relatando a experiência de uma oficina sobre quadriláteros. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 15, n. 20, p. 629-639, set./dez. 2018.

VERGNAUD, G. A Teoria dos Campos Conceituais. In: BRUN, Jean (Org.) Didáctica das Matemáticas. Tradução por Maria José Figueiredo. Lisboa: Instituto Piaget, 1996, p 155-191.

______. O que é aprender. In: BITTAR, M.; MUNIZ, C. A. (Org.). A Matemática na perspectiva da Teoria dos Campos Conceituais. Curitiba: CRV, 1 ed. 2009.

Publicado
2020-02-02
Como Citar
Santana, E. R. dos S., Santos, N. H. da C., Couto, M. E. S., & Madruga, Z. E. de F. (2020). Materiais manipuláveis e conceitos geométricos: uma sequência de ensino desenvolvida na Educação de Jovens e Adultos. Revista De Educação Matemática, 17, e020005. https://doi.org/10.37001/remat25269062v17id305
Seção
Histórias de aulas de Matemática