O processo de inclusão de estudantes com diferentes transtornos e a fronteira gerada pelos diagnósticos

Palavras-chave: autismo, educação especial, Educação Matemática Inclusiva, Transtornos de Aprendizagem

Resumo

A partir dos recentes estudos sobre a educação inclusiva na Educação Matemática e com o objetivo de destacar o que as pesquisas brasileiras evidenciam acerca de estudantes com diferentes transtornos e o respectivo processo de inclusão desses estudantes em aulas de matemática, é considerada como a pergunta no estudo: no processo de inclusão que estamos a vivenciar no Brasil, como os artigos científicos brasileiros apresentam a inclusão de estudantes com diferentes tipos de transtorno no contexto do ensino e da aprendizagem de matemática? A partir de uma revisão bibliográfica de 15 artigos, assumimos como referencial teórico a criação de unidades de análise tal como se propõe em uma pesquisa qualitativa, sendo identificadas três unidades: (1) a ênfase clínica em estudos realizados com uma abordagem ainda incipiente; (2) a abordagem dos aspectos relacionados aos transtornos na formação docente e (3) a necessidade de diversificação metodológica e material. Como resposta para a pergunta diretriz da pesquisa, reflexões são apresentadas sobre a existência de uma fronteira excludente que revela um grupo de estudantes implicitamente excluído e outro implicitamente assumido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joyce Evellyn da Silva Cruz, Universidade Estadual do Paraná/Unespar
Licencianda em Matemática pela Universidade Estadual do Paraná/Unespar.
Elton de Andrade Viana, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Braz Cubas (2006) e mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2017). Atualmente é prof. de apoio e acompanhamento à inclusão da Prefeitura Municipal de São Paulo e professor do Instituto Superior de Educação de São Paulo / Singularidades. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial, atuando principalmente nos seguintes temas: matemática, aprendizagem, adequação curricular, formação e educação matemática.
Ana Lucia Manrique, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
Possui graduação em Matemática pela Universidade de São Paulo (1987), mestrado em Ensino de Matemática (1994) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) (2003), ambos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Pos-Doutorado no Programa de Pós-graduação em Educação da PUC/RJ (Pós-Doc Júnior CNPq) (2008). Pesquisadora Produtividade em Pesquisa do CNPq (2016-2018) e (2019-2021). Participou do Comitê Científico da SBEM-SP (2015-2017). É professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atualmente, é Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da PUC-SP (2020-2022). Atuou como pesquisadora no projeto aprovado no edital dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia do MCT/CNPq/FNDCT/CAPES/FAPEMIG/FAPERJ/FAPESP. Coordenou projeto aprovado no Observatório da Educação, edital 2010 e participou como pesquisadora do projeto aprovado no Observatório da Educação, Capes, edital 2008 e 2012. Coordenou projeto aprovado no edital 44/2014 do Programa de Apoio à Formação de Profissionais no campo das Competências Socioemocionais. Coordenou localmente projeto aprovado no edital 59/2014 no Programa Tecnologia Assistiva no Brasil e Estudos sobre Deficiência, projeto em rede entre UFRJ, PUC/SP e UNIVAP. Pesquisa sobre os seguintes temas: Formação de professores que ensinam matemática, Formadores de professores, Saberes docente, Trabalho docente, Mapas conceituais, Cálculo Diferencial e Integral e Educação Matemática Inclusiva.
Fábio Alexandre Borges, Universidade Estadual do Paraná-Unespar
Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (2002), Mestrado pelo Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática (2006) da Universidade Estadual de Maringá e Doutorado pelo mesmo Programa (2013). Pós-doutor pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática da Universidade Estadual de Londrina (2019). Tem experiência na área de Educação Matemática, com ênfase em Educação Matemática Inclusiva, atuando principalmente com a temática surdez. Editor da Revista Paranaense de Educação Matemática. Docente da Universidade Estadual do Paraná-Campus de Campo Mourão, bem como do Mestrado em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar (PPIFOR) - Campus de Paranavaí. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual do Paraná, campus de Campo Mourão. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Surdez e Educação Matemática. Membro co-fundador do GT13 da Sociedade Brasileira de Educação Matemática: Diferença, Inclusão e Educação Matemática.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed, 2014.

ARANHA. M. S. F. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. Revista do Ministério Público do Trabalho, Marília, v. 11, n. 21, p. 160-173, 2001.

BARROS, D. D. Leitura e escrita do mundo com a matemática: os movimentos sociais e a representatividade. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 23. Anais... 25 a 27 de outubro de 2019, UNICSUL, São Paulo, 2019. Disponível em http://eventos.sbem.com.br/index.php/EBRAPEM/EBRAPEM2019/schedConf/presentations?searchField=&searchMatch=&search=&track=50 Acesso em 24 abr. 2020.

BORGES, F. A. A educação inclusiva para surdos: uma análise do saber matemático intermediado pelo intérprete de Libras. 260 f. Tese (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2013.

BRASIL. Nota técnica MEC/SECADI/DPEE n. 04, de 23 de janeiro de 2014. Orientação quanto a documentos comprobatórios de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação no Censo Escolar. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=15898&Itemid Acesso em 26 fev. 2020.

CAMPBELL, S. R. Embodied minds and dancing brains: new opportunities for research in mathematics education. In: SRIRAMAN, B.; ENGLISH, L. (Eds.). Theories of mathematics education: seeking new frontiers. Berlim: Springer, 2010. p. 309-331.

CARDOSO, E. R. Afetividade, gênero e escola: um estudo sobre a exclusão de meninos no sexto ano do ensino fundamental, com enfoque na disciplina de matemática. (Doutorado em Educação para a Ciência e a Matemática). 225 f. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2015.

CORDEIRO, J. P. Dos (des)caminhos de Alice no país das maravilhas ao autístico mundo de Sofia: a matemática e o teatro dos absurdos. 186 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

CORDEIRO, J. P.; RESENDE, A.; THIENGO, E. R. A matemática e o mundo autístico de Sofia: uma discussão de numeralização a partir da teoria das ações mentais por etapas. Revista Paranaense de Educação Matemática, Campo Mourão, v. 6, n. 10, p. 272-283, jan./jun. 2017.

COSTA, A. C.; ROHDE, L. A.; DORNELES, B. V. Desenvolvimento de fatos numéricos em estudantes com transtornos de aprendizagem. Bolema, Rio Claro, v. 26, n. 44, p. 1151-1169, dez. 2012.

COSTA, M. A. Dificuldades e transtornos do aprender será que aprendi? Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 4, n. 2, p. 1-12, 2015.

ESMONDE, I. Ideas and identities : supporting equity in cooperative mathematics learning. Review of Educational Research, v. 79, n. 2, p. 1008-1043, jun. 2009.

FELDBERG, S. C. F.; CARDOSO, T. S. G.; MELLO, C. B.; MUSZKAT, M.; BUENO, O. F. A. Aspectos neuropsicológicos e da aprendizagem matemática em um caso de leucomalácia periventricular. Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 4, n. 2, p. 68-84, 2015.

FELIPE, M. A.; GELLER, M. Educação matemática inclusiva e formação continuada de professores: uma análise de produções científicas entre 2010 e 2016. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENSINO DA MATEMÁTICA, 7. Anais ... 04 a 07 de outubro de 2017, ULBRA, Canoas, Rio Grande do Sul, 2017. Disponível em www.conferencias.ulbra.br/index.php/ciem/vii/paper/viewFile/7047/4205 Acesso em 28 set. 2019.

GAVIOLLI, Í. B. G. Cenários para investigação e Educação Matemática em uma perspectiva do deficiencialismo. 93 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2018.

HAZIN, I.; FALCÃO, J. T. R. Habilidades visoespaciais e desempenho em matemática. Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 4, n. 2, p. 29-43, 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica 2018. Brasília: Inep, 2019. Disponível em http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica Acesso em: 15 out. 2019.

LANUTI, J. E. O. E. Educação matemática e inclusão escolar: a construção de estratégias para uma aprendizagem significativa. 127 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2015.

LESH, R.; SRIRAMAN, B. Re-conceptualizing mathematics education as a design science. In: SRIRAMAN, B.; ENGLISH, L. Theories of mathematics education: seeking new frontiers. Nova York: Springer, 2010. p. 123-146.

MACÊDO, L. M. S. Professores de matemática nas trilhas do processo de ensino e aprendizagem de crianças com TDAH. 143 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Centro de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2016.

MARTINS, R. S. Ensinando matemática para alunos diagnosticados como portadores de transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH): uma proposta baseada no desenvolvimento da autorregulação. 218 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2011.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p.7-32, 1999.

MOREIRA, G. E. Resolvendo problemas com alunos com transtornos globais do desenvolvimento: desafios e conquistas. Educação Matemática em Revista – RS, ano 15, v. 1, n. 15, p. 38-48, 2014.

MOREIRA, G. E.; MANRIQUE, A. L. Educação matemática inclusiva: diálogos com as teorias da atividade, da aprendizagem significativa e das situações didáticas. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019.

MORO, J. B.; CAMPOS, J. A. P. P.; GALVANI, M. D. A interface entre a educação especial e educação matemática: inclusão de um aluno com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) nas aulas de ciências e matemática no ensino fundamental. Educação Matemática em Revista, Brasília, v. 22, n. 55, p. 32-39, jul./set. 2017.

NASCIMENTO, I. C. Q. S. Introduções ao sistema de numeração decimal a partir de um software livre: um olhar sócio-histórico sobre os fatores que permeiam o envolvimento e a aprendizagem da criança com TEA. 157 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

NOGUEIRA, C. M. I. et al. Um panorama das pesquisas brasileiras em educação matemática inclusiva: a constituição e atuação do GT13 da SBEM. Educação Matemática em Revista, v. 24, n. 64, p. 4-15, set./dez. 2019.

NUNES, C. S.; GELLER, M. Reflexões sobre o processo de aprendizagem matemática no atendimento educacional especializado. Educação Matemática em Revista – RS, ano 17, v. 2, n. 17, p. 107-120, 2016.

PENTEADO, M. G.; MARCONE, R. Inclusive mathematics education in Brazil. In: KOLLOSCHE, D.; MARCONE, R.; KNIGGE, M.; PENTEADO, M. G.; SKOVSMOSE, O. (Eds.) Inclusive mathematics education: state-of-the-Art research from Brazil and Germany. Suíça: Springer, 2019. p. 7-12.

PRAÇA, E. T. P. O. Uma reflexão acerca da inclusão de aluno autista no ensino regular. 140 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação Matemática) – Instituto de Ciências Exatas, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2011.

RESENDE, M. S.; PONTES, S.; CALAZANS, R. O DSM-5 e suas implicações no processo de medicalização da existência. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 21, n. 3, p. 534-546, dez. 2015.

RIBEIRO, G. G.; CRISTOVÃO, E. M. Um estudo sobre a inclusão de alunos com transtorno do espectro autista na aula de matemática. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 15, n. 20, p. 503-522, set./dez. 2018.

RODRIGUES, C. I.; SOUSA, M. C.; CARMO, J. S. Transtorno de conduta/TDAH e aprendizagem da matemática: um estudo de caso. Psicologia Escolar e Educacional, v. 14, n. 2, p. 193-201, jul./dez. 2010.

RODRIGUES, D. Dez ideias (mal) feitas sobre a educação inclusiva. In: RODRIGUES, D. (org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 299-318.

SALES, T. R. R.; NASCIMENTO, E. F. V. C.; PIOVESAN, A. F. Dificuldades em matemática ou TEA? entendendo a aprendizagem neurocientificamente. Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 4, n. 2, p. 85-98, 2015.

SANTOS, R. F. A.; ALVES, R.; ALVES, T. M. A. Transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na educação matemática em Aracaju. Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 7, n. 2, p. 93-102, 2017.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, F.; MORINO, C. R. I. Contribuições de neurociências à formação de professores: mediando transtornos e dificuldades de aprendizagem. Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 4, n. 2, p. 44-67, 2015.

SILVA, G. H. G. Equidade e educação matemática. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 1, 2016a, p. 397-420.

SILVA, V. F. S. A presença de alunos autistas em salas regulares, a aprendizagem de ciências e a alfabetização científica: percepções de professores a partir de uma pesquisa fenomenológica. 187 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2016b.

SILVA, L. F.; MOREIRA, G. E.; RIVERA, A. F. P.; RODOVALHO, M. R.; SALLA, H.; SILVA, E. C. Revisão sistemática de produções científicas sobre as práticas inclusivas em educação matemática. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 12. Anais... Educação matemática na contemporaneidade: desafios e possibilidade. 13 a 16 de julho de 2016, UNICSUL, São Paulo, 2016. Disponível em www.sbem.com.br/enem2016/anais/pdf/7077_2992_ID.pdf Acesso em 28 set. 2019.

SILVEIRA, T. C. Da infância inventada à infância medicalizada: considerações psicanalíticas. 151 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SOALHEIRO, N. I.; MOTA, F. S. Medicalização da vida: doença, transtornos e saúde mental. Revista Polis e Psique, 2014, v. 4, n. 2, p. 65-85, 2014.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Periódicos. Disponível em http://www.sbembrasil.org.br/sbembrasil/index.php/95-periodicos/117-periodicos. Acesso em: 10 out. 2019.

TAKINAGA, S. S. Transtorno do espectro autista: contribuições para a educação matemática na perspectiva da teoria da atividade. 127 f. (Mestrado em Educação Matemática) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

TAKINAGA, S. S.; MANRIQUE, A. L. Transtorno do espectro autista: contribuições para a educação matemática na perspectiva da teoria da atividade. Revista de Educação Matemática, São Paulo, v. 15, n. 20, p. 483-502, set./dez. 2018.

THIELE, A. L. P. Discalculia e formação continuada de professores: suas implicações no ensino e aprendizagem de matemática. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Faculdade de Física, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

VIANA, E. A.; MANRIQUE, A. L. Cenário das pesquisas sobre o autismo na educação matemática. Educação Matemática em Revista, Brasília, v. 24, n. 64, p. 252-268, set./dez. 2019.

VORKAPIC, C. F. Neurociência do exercício, saúde mental e aprendizagem. Caminhos da Educação Matemática em Revista, v. 4, n. 2, p. 135-151, 2015.

Publicado
2020-07-19
Como Citar
Cruz, J. E. da S., Viana, E. de A., Manrique, A. L., & Borges, F. A. (2020). O processo de inclusão de estudantes com diferentes transtornos e a fronteira gerada pelos diagnósticos. Revista De Educação Matemática, 17, e020036. https://doi.org/10.37001/remat25269062v17id374
Seção
Artigos Científicos