Violência em Números

  • Sezilia Toledo Universidade Cruzeiro do Sul
  • Celi Espasandin Lopes Universidade Cruzeiro do Sul
Palavras-chave: violência, educação estatística, anos finais do ensino fundamental

Resumo

Este artigo constitui-se de uma narrativa de aula e tem-se por objetivo abordar o tema violência presente no contexto de estudantes de uma escola municipal da cidade de Campinas. Para isso, a turma do 9.º ano realizou uma coleta de dados, pautada em entrevistas com as outras turmas da escola que estudavam no período da tarde. Após a coleta, fizeram, individualmente, a tabulação de dados de cada sala, por meio de registros pessoais e construção de gráficos a respeito de cada questão. Concluídos os gráficos individuais, coletivamente foram gerados os números totais de cada questão, com quadro e gráfico. Os alunos se mostraram surpresos com os índices estampados, como se não se sentissem pertencentes àquela realidade, porém, quando da análise das informações coletadas e representadas em forma de gráfico, realizaram a leitura, tecendo inferências a respeito, trazendo fatos da realidade vivenciada por eles, que embasavam os resultados. O trabalho completo foi exposto no evento “Mostra Cultural”. Após o evento, os cartazes ficaram fixados nas paredes da sala de aula do 9.º ano e foram utilizados pelos profissionais das outras áreas para leitura, interpretação de informações explícitas e implícitas, uma leitura para além dos dados. Este trabalho possibilitou aos alunos ler os dados apresentados no Atlas da Violência (2019) e visualizar o tema em nível estadual; e, após a aplicação de questionários, puderam constatar o quanto a violência está presente em suas vidas e nas de seus colegas e como ela interfere em suas decisões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sezilia Toledo, Universidade Cruzeiro do Sul

Doutoranda em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul.

Celi Espasandin Lopes, Universidade Cruzeiro do Sul

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática.

Pesquisadora na área de Educação Estatística e Educação Matemática.

Referências

ARAÚJO, E. S. A aprendizagem e o desenvolvimento profissional docente sob as luzes da perspectiva histórico-cultural. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 12., 29 de agosto a 1 de setembro de 2004, Curitiba. Anais... Curitiba, 2004. p.3507-3518.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Atlas da Violência. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA; FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Atlas da Violência. Brasília; Rio de Janeiro; São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

BRASIL. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Educação Estatística – Caderno 7. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Curricular Comum: educação é a base. Brasília, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: 15 out. 2018.

CHESNAIS, J. C. A violência no Brasil. Causas e recomendações políticas para a sua prevenção. Ciências & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.4, n.1, p. 53-69, 1999.

CURCIO, F. R. Developing graph comprehension: elementary and middle school activities. Reston, VA: NCTM, 1989.

D’AMBROSIO, B. S. O professor-pesquisador diante da produção escrita dos alunos. Rev. Educ. PUC-Camp., Campinas, v. 18, n.3, p.249-258, set./dez. 2013.

ESPINEL, M. C.; GONZÁLEZ, M. T.; BRUNO, A.; PINTO, J. Las gráficas estadísticas. In: SERRANO, L. (Ed.). Tendencias actuales de la investigación en educación estocástica. Málaga: Gráficas San Pancracio, 2009. p.57-74.

GRANDO, R. C.; NACARATO, A. M.; LOPES, C. E. Narrativa de aula de uma professora sobre a Investigação Estatística. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 985-1002, out./dez. 2014. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso em: 5.nov.2020.

FRAUENDORF, R. B. S.; PACHECO, D. Q.; CHAUTZ, G. C. C. B.; PRADO, G. V. T. Mais além de uma história: a narrativa como possibilidade de autoformatação. Rev. Educ. PUC-Camp., Campinas, v. 21, n. 3, p.351-361, set./dez. 2016.

FRIEL, S.; CURCIO, F.; BRIGHT, G. Making Sense of Graphs: critical factors influencing comprehension and instructional implications. Journal for Research in Mathematics Education, v. 32, n.2, p. 124-158, 2001.

LOPES, C. E. O conhecimento profissional dos professores e suas relações com estatística e probabilidade na educação infantil. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003.

LOPES, C. E. O ensino da estatística e da probabilidade na educação básica e a formação de professores. Caderno Cedes, Campinas, v. 2, n. 74, p. 57-73, jan./abr. 2008.

LOPES, C. E. Os desafios para a educação estatística no currículo de matemática. In: LOPES, C.E.; COUTINHO, C. de Q.S.; ALMOULOUD, S.A. Estudos e Reflexões em Educação Estatística. Campinas: Mercado de Letras, 2010. p. 47-64.

LOPES, C. E. A Educação Estocástica na infância. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v.6, p. 160-174, 2012.

NACARATO, A. M.; PASSEGGI, M. C. Narrativas da experiência docente em matemática de professoras-alunas em um curso de Pedagogia. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNEROS TEXTUAIS - SIGET, 6., 16 a 19 de ago. de 2011, Natal. Anais Eletrônicos [...]. Natal, 2011. p. 1-14.

ROSLING, H. Factfulness: O hábito libertador de só ter opiniões baseadas em fatos. Rio de Janeiro: Record, 2019.

VAN DE WALLE, J. A. Matemática no Ensino Fundamental: Formação de professores e aplicação em sala de aula. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Publicado
2021-01-28
Como Citar
Toledo, S., & Espasandin Lopes, C. . (2021). Violência em Números. Revista De Educação Matemática, 18, e021003. https://doi.org/10.37001/remat25269062v17id485
Seção
Ensino de Matemática, diversas possibilidades