Percepções de professores do Ensino Médio sobre mudanças de suas práticas de ensino de Probabilidade

  • José Marcos Lopes Unesp - Ilha Solteira
  • Inocêncio Fernandes Balieiro Filho Unesp - Ilha Solteira

Resumo

Apresentamos neste artigo os resultados da aplicação de uma proposta didático‐pedagógica para o Ensino Médio,  que teve como ponto de partida para a construção dos conceitos básicos de probabilidade uma situação de jogo  associada à resolução de problemas. Trata‐se de uma pesquisa de intervenção na prática escolar com base na pesquisaação colaborativa. A proposta de ensino foi aplicada por três professoras em quatro salas do segundo ano do Ensino  Médio de uma escola pública de uma cidade do interior do Estado de São Paulo, Brasil. O objetivo da pesquisa foi  investigar as percepções das professoras de Ensino Médio, sobre mudanças ocorridas em suas práticas na sala de aula  e também discutir o ensino e a aprendizagem de Probabilidade a partir do uso de jogos e resolução de problemas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, S. Ensino‐aprendizagem de matemática via resolução, exploração, codificação e descodificação de problemas e a multicontextualidade da sala de aula. 1997. 325f. Dissertação (Mestrado em Ensino e Aprendizagem da Matemática e seus Fundamentos Filosóficos – Científicos) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 1997.

BALIEIRO FILHO, I. F. Arquimedes, Pappus, Descartes e Polya – Quatro Episódios da História da Heurística. Tese (Doutorado em Ensino e Aprendizagem da Matemática e seus Fundamentos Filosóficos‐Científicos). Rio Claro: IGCE – UNESP, 2004

BATANERO, C. Didáctica de la estadística. Granada: Universidad de Granada, 2001.

BATANERO, C. Razonamiento probabilístico em la vida cotidiana: um desafio educativo. In: FLORES, P.; LUPIÁÑEZ, J. (Org.). Investigación en el aula de matemática: estadística y azar. Granada: Sociedad de Educación Matemática Thales, 2006. CD ROM.

BOAVIDA, A. M.; PONTE, J. P. Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. In: GTI (Ed.). Refletir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM, 2002. p. 43‐55.

BORIN, J. Jogos e resolução de problemas: uma estratégia para as aulas de matemática. São Paulo: IME‐USP, 2004. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental.

Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. (PCN). 2.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000. 142p.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática (PCN+). Brasília: MEC/SEMT, Brasília. 2002.

CARVALHO, D. L.; OLIVEIRA, P. C. Quatro concepções de probabilidade manifestadas por alunos ingressantes na licenciatura em matemática: Clássica, Frequentista, Subjetiva e Formal. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 25., 2002, Caxambu. Anais... Caxambu: Associação Nacional de Pós‐graduação e Pesquisa em Educação, 2002. CD ROM.

CONTRERAS, J. M.; DÍAZ, C.; BATANERO, C.; ORTIZ, J. J. Razonamiento probabilístico de professores y su evolucion en un taller formativo. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 181‐198, 2010.

CORBALÁN, F. Juegos matemáticos para secundaria y bachillerato. Madrid: Síntesis, 2002. 271p.

FIORENTINI. D. Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In: BORBA, M. C.; ARAÚJO, J. L. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p. 47‐76.

HIEBERT, J. et al. Making sense: teaching and learning mathematics with understanding . Portsmouth, NH: Heinemann, 1997. LIMA, E. L. Exame de textos: análise de livros de matemática para o ensino médio. Rio de Janeiro: SBM, 2001.

LOPES, C. A. E. A estatística e a probabilidade na educação básica e a formação dos educadores matemáticos. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 3., 2006, Águas de Lindóia. Anais... Curitiba: SBEM, 2006. CD ROM.

MOURA, M. O. O jogo e a construção do conhecimento matemático. São Paulo: FDE, 1992. (Série idéias, 10).

NACARATO, A. M. Educação Continuada sob a Perspectiva da Pesquisa‐Ação: Currículo em Ação de um Grupo de Professoras ao Aprender Ensinando Geometria. 2000. 323f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

ONUCHIC, L. R. Ensino‐aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: concepções &perspectivas. São Paulo: Ed. da UNESP, 1999. p. 199‐218.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G. Novas reflexões sobre o ensino‐aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Orgs.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2005. p 213‐231.

POLYA, G. Sobre a resolução de problemas de matemática na high school. In: KRULIK, S.; REYS, R. E. (Orgs.). A resolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual Editora, 1997. p. 1‐2.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Caderno do professor: matemática. São Paulo: SEE, 2008. (Ensino Médio 2ª série, 3º bimestre).

SARAIVA, M.; PONTE, J. P. O trabalho colaborativo e o desenvolvimento profissional do professor de matemática. Quadrante, Lisboa, v. 12, n. 2, p. 25‐52, 2003.

SCHUH, F. The master book of mathematical recreations. New York: Dover Publications, 1968.

VAN DE WALLE, J. A. Elementary and middle school mathematics: teaching developmentally. 6. ed., Boston: Pearson, 2007. 576p.

Publicado
2011-01-01
Como Citar
Lopes, J. M., & Filho, I. F. B. (2011). Percepções de professores do Ensino Médio sobre mudanças de suas práticas de ensino de Probabilidade. Revista De Educação Matemática, 13(15), 37 - 54. Recuperado de https://www.revistasbemsp.com.br/REMat-SP/article/view/66
Seção
Artigos Científicos