A aritmetica e seus reflexos no ensino para aprendizagem da álgebra

  • Edelweis José Tavares Barbosa IFPE/Campus Pesqueira
  • Clovis Gomes da Silva Junio UPE/FACETEG

Resumo

No processo de escolarização tradicional, a criança é introduzida ao conhecimento matemático formal a partir do  estudo da Aritmética, desenvolvendo habilidades numéricas nas operações básicas de adição, subtração, multiplicação  e divisão. O ensino da Álgebra é iniciado apenas no 7º ano, sendo introduzidos cálculos algébricos com variáveis  representadas por letras. A comunicação através de uma linguagem diferente, puramente simbólica é fonte de conflitos  e fracassos na Matemática escolar. (GARCIA apud TELES, 2004, p.9) Para Lins e Gimenez (1997, p.162) a educação  Aritmética e Algébrica deve ocorrer de forma integrada, a fim de favorecer a construção do pensamento abstrato.  Buscou‐se  com  este  estudo  analisar  os  reflexos  dos conhecimentos  sobre  Aritmética  para  o  aluno  ao  efetuar  as  operações e manipulações Algébricas, a partir de uma abordagem metodológica descritiva, exploratória de análise  quantitativa. A amostragem foi composta por 67 alunos do 9º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública.  Foram aplicados dois testes com seis questões, sendo o primeiro sobre Aritmética e o segundo sobre Álgebra. Podemos  observar as seguintes constatações: que os alunos são bem sucedidos na resolução de problemas aritméticos, mas não  têm o mesmo êxito na resolução de problemas algébricos; existe uma similaridade entre os erros cometidos nas  operações Aritméticas e Algébricas. Como averiguado por Teles (2004, p.14) algumas dificuldades que o aluno tem em  Álgebra estão relacionadas a obstáculos conceituais em Aritmética que não foram corrigidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOOTH, L. Dificuldades das crianças que se iniciam em álgebra. In: COXFORD, Arthur F. e SHULTE, Albert P. As Idéias da Álgebra. São Paulo: Atual, 1995. Parte 1: Álgebra: Idéias e Questões, Cap. 3, p. 23‐36

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998, 142 p.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (5ª a 8ª Séries) Matemática. Brasília, DF, 1998. 142 p.

FALCÃO, J. T. R. ‐ A Álgebra como Ferramenta de Representação e Resolução de Problemas, em SCHLIEMANN, A. D. e outros, Estudos em Psicologia da Educação Matemática, p. 85‐107, ed. UFPE, Recife, 1993.

GERMI, P. E. Statut des lettres et notion de variable. Petit x, número 45, p. 59‐ 79. Grenoble/França, l997.

LINS, R. C; GIMENEZ, J. Perspectivas em Aritmética e Álgebra para o século XXI. Campinas, SP: Papirus Editora, 1997, 176 p.

MINIDICIONÁRIO Luft. São Paulo: Ática, 2000. MIORIM, M. Introdução à história da educação Matemática. São Paulo: Atual, 1998, 120 p.

OLIVEIRA, A.T. C.C. Reflexões sobre a aprendizagem da Álgebra. Educação Matemática em Revista, Ano 09, n. 12, p 35‐39, junho de 2002.

PAIS, L.. Didática da Matemática: uma análise da influência Francesa. Belo Horizonte: Autêntica, 2. Ed., 2002. 128p

PAIS, L. Ensinar e Aprender Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006. 152p SOUZA, E. R.; DINIZ, M. I. de S. V. Álgebra: das Variáveis às Equações e Funções. São Paulo: IME‐USP, 1996, 111 p.

TELES, R. A. de . A Aritmética e a Álgebra na Matemática escolar. Educação Matemática em Revista, Ano 11, n. 16, p 8‐15, maio de 2004.

USISKIN, Z. Concepções sobre a Álgebra da escola média e utilização das variáveis. In: COXFORD, A.F.; SHULTE, A.P. (Org.). As idéias da Álgebra. São Paulo: Atual, 1995, Parte 1: Álgebra: Idéias e Questões, Cap. 2, p. 09‐22.

VERGNAUD, G. Psicologia do desenvolvimento cognitivo e Didática das Matemáticas. Um exemplo das estruturas aditivas. 1986.

Publicado
2011-01-01
Como Citar
Barbosa, E. J. T., & Junio, C. G. da S. (2011). A aritmetica e seus reflexos no ensino para aprendizagem da álgebra. Revista De Educação Matemática, 13(15), 79 - 88. Recuperado de https://www.revistasbemsp.com.br/REMat-SP/article/view/69
Seção
Relato de Experiência